VIGILANTES FARÃO PARALISAÇÃO POR TEMPO INDETERMINADO PARA COBRAR DE CONFÚCIO MOURA EMPREGO E RESCISÕES.

VLUU L100, M100  / Samsung L100, M100

 Nesta sexta-feira (13), as 8h00, na sede do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Vigilância (SINTESV) será realizada uma assembleia com os vigilantes que trabalham nas escolas estaduais e demais setores da educação estadual, para deliberar sobre paralisação por tempo indeterminado.

A reivindicação é que o governo mantenha o serviço de vigilância nas escolas, mesmo com redução, e garanta o pagamento das verbas rescisórias de milhares de vigilantes que serão demitidos agora em outubro.

Após inúmeras reuniões e audiências, na Assembleia Legislativa, no Ministério Público do Trabalho (MPT) e na Procuradoria Geral do Estado (PGE) o SINTESV constatou que não há a menor preocupação da equipe do governador Confúcio Moura em resolver o problema das 2.500 demissões dos vigilantes que atualmente prestam serviço nas escolas estaduais e demais setores da Secretaria da Educação (SEDUC).

O governo se recusa a manter o serviço de vigilância, mesmo que reduzindo um percentual e mantendo o serviço, pelo menos, nos horários de aula; por outro lado, as empresas tiveram novamente parecer contrário da PGE para realinhar os valores dos contratos que estão sem correção há dois anos e já informaram, inclusive para os deputados estaduais e ao MPT, que não terão condições de pagar as verbas rescisórias.

A situação é dramática, pois diferente do que ocorreu em todos os governos ao longo da história, desta vez não haverá substituição das empresas que terão os contratos encerrados em outubro; com isso esse imenso contingente de vigilantes demitidos não será reaproveitado por outras empresas, já que o governador determinou o fim do serviço de vigilância nas escolas e irá substituir os vigilantes por câmeras de monitoramente remoto; todos ficarão desempregados.

O SINTESV denúncia que além de desempregados, esses 2.500 vigilantes não receberão suas verbas rescisórias pelas vias normais e terão que recorrer à Justiça, pagando os custos de honorários com advogados e com demora imprevisível para receber seus direitos trabalhistas, das empresas ou do Estado. Para o Presidente do Sindicato, Paulo Tico, “É uma grande irresponsabilidade do governo, acabar com o emprego dos vigilantes e ainda deixar os trabalhadores sem receber ao menos os seus direitos”.

Diante disso, a diretoria do Sindicato Convoca os Vigilantes da Empresa Rocha para se fazerem presentes na Assembleia Geral, nesta sexta feira as 8 horas na sede do sindicato para a deliberarem sobre a paralisação por tempo indeterminado, uma vez que a representante financeira da empresa Rocha comunicou o sindicato que não há previsão de pagamento dos salários e garantia dos pagamentos das verbas rescisórias dos vigilantes que trabalharão ate o termino do contrato.

Fonte: SINTESV/RO.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: